sexta-feira, agosto 19

Amigos da caserna


TEMPOS IDOS - Em 1968, o Jota preferia esnobar o soldo

Você conhece esta foto. A imagem da passeata dos Cem Mil, de Evandro Teixeira, ficou registrada na História pelas páginas do JB. Mesmo sem fazer oposição sistemática à ditadura, o jornal foi protagonista de alguns dos momentos mais notáveis de resistência ao regime. Como colunista da página dois do Centenário, tive a honra de participar de parte desses grandes momentos da imprensa nacional.

Carregamentos de líquido precioso, trazidos da Escócia por aviões da FAB com apoio técnico do SNI, não foram suficientes para comprar nossas opiniões. No máximo, registrávamos a medalha de bronze recebida pelo filho daquele sargento no torneio de tiro ao alvo do Forte do Leme. Transigir politicamente com os gorilas, jamais.

Mas os tempos, como antecipou Bob Dylan, mudaram. Nesta sexta-feira, o Jota traz uma reportagem com cara, cheiro e gosto de arapuca de quartel. O estelionato editorial começa no título: Ex-ministro do Exército critica o governo. Sem assinatura, o texto é mais comedido ao classificar as palavras do general Leônidas. O ex-ministro fez "veladas ressalvas sobre a atuação do ministro da Defesa e vice-presidente José Alencar", informam as letras miúdas no fim do primeiro parágrafo.

A peça expõe o nome do jornal no subtítulo e repete a sigla outras cinco vezes no corpo do texto, uma façanha digna de edição comemorativa para consumo da diretoria. É nesse realismo além da vontade do rei que o Centenário acaba tropeçando na casca de banana. Na reta final, a matéria reproduz uma das declarações mais edificantes da trajetória do matutino. O autor é o representante do Almirante para assuntos do Piantella:

- São oportunidades como esta que ampliam os conhecimentos sobre a participação do Brasil em tempos de guerra. O povo que tem memória, tem orgulho - avaliou o vice-presidente do Jornal do Brasil, jornalista Paulo Marinho.

Essa parte do "jornalista Paulo Marinho", sinceramente, eu não conhecia. É por isso que não largo o Jota: todo dia tem algo de novo para aprender.

3 Comments:

At 19 agosto, 2005 21:20, Anonymous Anônimo said...

Achei muito boa esa matéria do JB. O exercito é uma instituição nacional. A ditadura já acabou e as forças armadas são uma feramenta de trabalho do Presidente da República. Os nossos últimos presidentes esqueceram diso.

 
At 22 agosto, 2005 02:03, Blogger Burphan said...

esa...exercito...feramenta...diso...

Não sei, não.

Algo me diz que o JB contratou novo colaborador.

 
At 31 julho, 2006 21:50, Anonymous Anônimo said...

A Marcha da Família com Deus Pela Liberdade, contra a Ditadura, foi muito maior do que essa marcha aí. A maior da história do Brasil.

 

Postar um comentário

<< Home